Notícias

O ENIGMA DO PÊNIS DE NAPOLEÃO BONAPARTE

Há mistérios entre o céu e a terra que, talvez, seja melhor mantê-los como mistérios mesmo. Mas para quem discorda dessa frase e quer encontrar a verdade, seja ela do tamanho que for, tem que estar preparado pra aguentar coisas que podem, muitas vezes, ser desagradáveis… Ou flácidas.

Sim, eu forcei um pouco algumas palavras para falar do pênis do Napoleão – “flácidas” não faz sentido nenhum com a frase. De qualquer forma, só fiz isso porque estamos entrando num tema muito peculiar. Tá bom, parei.

Napoleão Bonaparte morreu em 1821, seis anos após ter perdido a lendária Batalha de Waterloo. Seu legado como imperador francês abalou as estruturas do mundo ocidental de tal maneira que a Revolução Francesa e as Guerras Napoleônicas são constantemente tratadas como os fatores que deram início à Idade Contemporânea, tamanho foi o legado do general corso.

A autópsia teve muitos médicos presentes. Afinal, era o grandioso Napoleão Bonaparte. Um homem diferente, aquele que mudou o mundo ocidental. Acontece que durante a autópsia, de alguma forma, aconteceu algo bizarro: o pênis de Napoleãofoi roubado.

Não só o pênis, mas diversas partes do corpo – como órgãos – também foram levadas. Um criado de Napoleão disse em suas memórias que aproveitou um momento em que os ingleses não estavam olhando para pegar alguns pedaços de sua costela.

De acordo com Tony Perrottet, autor do livro ‘As Partes Privadas de Napoleão: 2.500 anos de História Descompactada (2008)’, um dos médicos que participou da autópsia pegou o pênis, guardou-o e, mais tarde, teria vendido o “instrumento” a um padre italiano que levou para Córsega, terra natal do imperador – e do pênis.

Acontece que há muita discussão sobre a veracidade desses fatos. Existe outra teoria de que, na verdade, o próprio padre possa ter roubado o pênis; também discute-se bastante sobre tudo não ter sido um grande acordo entre os médicos que faziam a autópsia, afinal, tirar órgãos e partes do corpo durante uma autópsia é algo comum.

O próprio Napoleão pediu para que o seu coração fosse retirado e enviado para Maria Luísa, sua esposa, desejo este que não foi realizado pelos médicos.

O “napoleãozinho” ficou décadas com a família do padre, na Córsega. Porém, em 1916, um colecionador britânico comprou o “falecido”, tornando-o público. De acordo com Perrottet, “O pênis adquiriu um status mítico. (…) Estava em uma pequena caixa de couro, congelado pelas temperaturas frias. Ele não foi colocado em formaldeído, o que piorou o desgaste”.

Em 1927 ele foi exposto em Nova York por um comerciante que alegou ter comprado alguns anos antes. Cinquenta anos depois, o urologista e professor de Urologia da Universidade de Colúmbia, John Lattimer, comprou o “pequeno cavalo-marinho”, como descreveu um visitante da exposição, por US$ 3.800.

O pênis ficou com ele até 2007. Com sua morte, o pequeno bastão foi passado para sua filha, como herança. Ela foi entrevistada pelo próprio Tony Perrottet, e o momento em que o autor do livro e o órgão do militar francês se encontram está registrado em um vídeo. 

Sim: o pênis é considerado bem pequeno. Mas enquanto o seu pênis está em Nova Jersey, do outro lado do mundo está o resto do corpo de Napoleão Bonaparte. Em uma cripta fria, sob a cúpula de Les Invalides, em Paris. Fonte: Aventuras na História UOL

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete − 2 =

Botão Voltar ao topo