DestaqueEmpregoNotíciasRegião

Mais de 30% das baianas têm seus próprios negócios

Cerca de 2,3 mil empreendedoras do estado se inscreveram no Mulher.com

Persistir e encontrar seu lugar no mundo através do próprio negócio. Foi com esse pensamento que a confeiteira e consultora Simone Pereira lidou com o falecimento precoce de sua filha de dois anos e tem buscado conquistar seu espaço no mercado de doces em Salvador. De acordo com o Sebrae-Ba, a porcentagem de mulheres donas de seus próprios negócios na Bahia é de 31%, e cerca de 2,3 mil delas se inscreveram, assim como Simone, no Mulher.com, evento de inscrição gratuito – e já esgotada – organizado pelo Sebrae Delas e a Fecomércio-BA, através da Câmara Estadual da Mulher Empresária (CEME), que se encerra hoje, mas que já está gerando expectativas para a edição do ano que bem.

“Esse evento é uma grande oportunidade para adquirir conhecimento, algo que ninguém pode tomar da gente. Um encontro como esse ajuda a nos aprimorarmos, conhecer outras pessoas e até mesmo incentivar as outras pessoas com as nossas histórias, seja ela feliz ou triste. Há cinco anos perdi minha filha e quando uma notícia desse impacto nos atinge, a parte mais difícil é seguir em frente e continuar de onde você parou. É preciso persistir. Estou onde estou pelo meu amor por ela, mas também por mim, para encontrar meu lugar no mundo”, conta Simone Pereira, proprietária da Magali Festeira Confeitaria.

Já a empreendedora Jéssica Freitas, que também esteve no primeiro dia do Mulher.com, embarcou no empreendedorismo no início de 2022: formada em gestão de recursos humanos, a jovem estava trabalhando como assistente administrativa e de recursos humanos até janeiro, quando foi demitida. Ela então resolveu investir o dinheiro de sua rescisão no seu sonho de ter o próprio estúdio de beleza, aproveitando a base que já tinha, ela ainda investiu em cursos, e começou a trabalhar com designer de sobrancelha e box braids, entrançamento feito nos fios naturais com a adição de cabelos sintéticos.

“O meu objetivo é que, futuramente, eu possa abrir um estúdio maior com atendimento dedicado a cabelo cacheado, designer de sobrancelha e unhas em gel, por exemplo, tentando atender a diversas modalidades e assim alcançar diversas mulheres. E mais para frente formar um instituto, onde vou poder ajudar as mulheres com cursos voltados para a área da beleza. Então participar de um evento como esse é uma grande oportunidade de agregar conhecimento e colocar tudo isso em prática nesse caminho que quero trilhar”, conta Jéssica.

Com 2,3 mil inscritas e dois dias de evento (16 e 17 maio), a programação conta com palestras, debates, plenárias, rodas de diálogo, o HUB Mulher, um espaço que traz a questão da inovação e da tecnologia, junto a startups, para o mundo do empreendedorismo feminino e, claro, oficinas. Uma delas, de turbante, foi ministrada por Valdemira Telma de Jesus Sacramento, a Negra Jhô, criadora do Instituto Kimundo – organização que trabalha na preservação e valorização da identidade e autoestima de crianças e adolescentes negras de Salvador -, e um dos grandes nomes quando o assunto são tranças, torços e turbantes.

“Se nós, mulheres, nos unirmos, valorizarmos e respeitarmos, vamos alcançar muito mais. Pudemos ver isso na pandemia, onde nos unimos, nos orientamos e conquistamos com a história umas das outras.  A mulher é uma fortaleza e juntas somos muito mais fortes, pois sem luta não há vitória”, afirma Negra Jhô.

Fonte: A Tarde

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × quatro =

Botão Voltar ao topo