BrasilNotícias

Justiça bloqueia bens dos proprietários da boate Kiss

Um dia após a tragédia que chocou o país, matou 231 pessoas e feriu 129 em Santa Maria, no interior gaúcho, quatro pessoas foram presas: dois sócios-proprietários da casa noturna Kiss e dois integrantes da banda que se apresentava no momento do incêndio.

Três deles – o empresário Elissandro Spohr, o vocalista Marcelo de Jesus dos Santos e o carregador de instrumentos Luciano Bonilha – haviam saído da cidade, por medo de serem linchados, e foram detidos na manhã desta segunda-feira (28). O outro sócio da boate, Mauro Londero Hoffmann, se apresentou à polícia à tarde e também foi preso.

Spohr estava em Cruz Alta, a 132 quilômetros de Santa Maria. Santos e Bonilha foram encontrados em Malta, a 80 quilômetros. Bonilha é acusado de acender o ‘sputnik’, espécie de sinalizador, que solta faíscas brilhantes e, ao atingir o material inflamável no teto da boate, deu início ao fogo. À polícia, no entanto, ele não admitiu tê-lo usado.

“O que temos de concreto é que o sinalizador foi usado e as portas não deram vazão à saída das pessoas”, disse o delegado titular da 3ª Delegacia Regional de Santa Maria, Marcelo Arigony. Segundo ele, a prisão temporária das quatro pessoas é de caráter cautelar e serve para contribuir para a apuração dos fatos.

Os sócios-proprietários da boate são acusados de não apresentar imagens das câmeras de segurança nem registros do caixa, que poderiam configurar a superlotação na casa – com capacidade para mil pessoas, a polícia estima que a Kiss abrigava 1,5 mil na hora do incêndio. Já os músicos foram detidos por fugir da cidade. “Se eles forem os responsáveis, eles serão punidos. Foram presos para investigação”, afirmou o delegado. Informações Correio da Bahia

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo