BrasilCulturaDestaqueNotíciasPolítica

“Independência ou Morte!”, entenda as comemorações do feriado de Independência do Brasil

Hoje, 07 de setembro, é comemorado o feriado da Independência do Brasil, mas você sabe como este evento aconteceu?

Em 7 de setembro de 1822, reza a lenda, D. Pedro I (Pedro Alcântara) deu o grito “Independência ou Morte” às margens do Rio Ypiranga, em São Paulo. Porém, de acordo com historiadores, a Independência do Brasil pode ter sido um movimento motivado para a Família Real se manter no poder, mesmo com a insatisfação popular. Mas para entender tudo isso temos que voltar para 1808.

Em 1808, a Família Real Portuguesa desembarcou em terras brasileiras, pois estavam fugindo das tropas francesas que invadiram Portugal. A chegada da Família Real trouxe uma série de mudanças e exigências que contribuíram para o desenvolvimento comercial e econômico (como a abertura dos portos brasileiros às nações amigas e o comércio entre os brasileiros e os ingleses), que culminaram com o movimento de independência.

As medidas adotadas pelo, naquela época rei D. João VI, tinham o objetivo de modernizar o Brasil elevando como parte integrante do Reino de Portugal. E isso aconteceu com o decreto de elevação do Brasil, em 1815, por D. João VI.

De acordo com o site Brasil Escola, o objetivo do decreto era evitar a possível fragmentação revolucionária do Brasil, assim como havia acontecido entre as relações Estados Unidos e Inglaterra. Porém, nem as medidas adotadas conseguiram conter as insatisfações dos brasileiros. Houve revoltas, como a Revolução Pernambucana de 1817.

Já em 1820, quem foi a vez dos portugueses mostrarem insatisfação com a permanência da Família Real no Brasil. Portugal passava por crises econômicas e políticas, sobretudo devido a invasão dos franceses. Dessa forma, a burguesia francesa exigia o retorno do rei, bem como a revogação das medidas soberanas dadas ao Brasil. Este processo ficou conhecido como Revolução Liberal do Porto de 1820.

Não houve acordo à distância.

D. João VI teve que regressar à Portugal levando consigo cerca de quatro mil pessoas, bem como quantidades expressivas de ouro e diamantes que estavam nos cofres do Banco do Brasil. Com isso, ele deixou o seu filho, Pedro de Alcântara, como regente do Brasil.

Nos meses seguintes, houve recrudescimento português com o progresso que o Brasil havia conquistado, gerando assim, insatisfação e o fortalecimento de movimentos separatistas.

As relações entre Portugal e Brasil a cada vez se aproximavam mais ainda do caminho da ruptura. Até que em setembro, com ordens de Portugal que cobrava o retorno de Pedro Alcântara, bem como o fim dos “privilégios” brasileiros, fez com que uma carta de independência fosse produzida e enviada a D. Pedro I, que estava em viagem a São Paulo.

Ainda conforme o Brasil Escola, um mensageiro chamado Paulo Bregaro ficou responsável em entregar a carta de independência, alcançando a comitiva de D. Pedro I, na altura de São Paulo, próximo ao Rio Ipiranga.

Neste momento, o Príncipe Regente leu a declaração e ratificou o processo de independência, porém ainda não se sabe ao certo se houve ou não o grito “Independência ou Morte!”.

O processo de independência do Brasil não foi encerrado nesta data. Houve guerras de expulsão de portugueses nos meses seguintes que consolidaram a soberania brasileira.

*Este texto tem como base informações do site Brasil Escola:

SILVA, Daniel Neves. “Independência do Brasil”; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/independencia-brasil.htm. Acesso em 07 de setembro de 2021.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo