AlimentosEstilo de vidaNotíciasSaúde

Cansaço em excesso pode ser indício de ferritina baixa

Especialista explica as consequências do problema e caminhos para tratá-lo.

Você está constantemente cansado e se sentindo sem energia? Esses podem ser sinais de algo mais sério do que apenas uma noite mal dormida. A ferritina, uma proteína produzida pelo fígado, desempenha um papel importante no armazenamento de ferro no organismo e sua deficiência pode ser a raiz de vários sintomas debilitantes.

De acordo com o Dr. Gustavo Feil, renomado médico especializado em Ciências da Longevidade Humana e Nutrologia, com sua capacidade única de transportar até quatro mil átomos de ferro simultaneamente, a ferritina é fundamental na fabricação de hemoglobina e mioglobina, contribuindo para o transporte eficiente de oxigênio pelo sangue. “O exame laboratorial de ferritina não apenas é útil na avaliação dos níveis de ferro no sangue, mas também no diagnóstico de condições como anemia, hepatite, esteatose e até mesmo distúrbios inflamatórios, como observado em casos de Covid e gripe”, acrescenta.

Ele explica ainda que níveis ótimos da proteína em questão são considerados entre 60 a 180 ng/mL, porém, é necessário não se iludir com os valores de referência padrão apresentados pelos laboratórios. “Cada indivíduo é único e é importante considerar o quadro clínico geral ao interpretar esses resultados”, explica.

A elevação da ferritina pode indicar excesso de ferro no organismo, sendo associada a uma variedade de condições, desde alcoolismo a hepatite. O Dr. Gustavo Feil alerta que, em alguns casos, o aumento dela pode não coincidir necessariamente com níveis elevados de ferro, indicando potenciais problemas de saúde, como processos inflamatórios associados a doenças graves.

Já a deficiência da substância traz sintomas como cansaço, fraqueza, palidez e queda de cabelo, além de dificuldade em realizar atividades físicas, sonolência excessiva, tonturas, unhas fracas, falta de concentração, dores de cabeça recorrentes e falta de ar – mesmo com esforço mínimo.

O tratamento varia de acordo com a causa, podendo incluir suplementação de ferro, dietas específicas ou, em casos mais graves, injeções parenterais. “É importante salientar que, para saber mais sobre os níveis de ferritina e como interpretar os resultados, é fundamental um diagnóstico realizado por profissionais qualificados”, conclui o Dr. Gustavo.

A boa notícia é que, uma vez diagnosticada a deficiência de ferritina, o problema pode ser tratado e corrigido com a supervisão adequada de profissionais médicos.

 

Sobre Gustavo Feil

Gustavo Feil é médico do desenvolvimento Físico e Mental com foco em Nutrologia e Medicina da Longevidade formado pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ/ SC e está sempre em busca da melhor versão em saúde, por meio da prevenção e promoção do bem estar.  Também é pós graduando em Nutrologia pela USP RP e em Ciências da Longevidade e Vida Saudável pela Academia Longevidade Saudável. Possui trabalho com foco em emagrecimento, performance, estilo de vida saudável, longevidade e desenvolvimento humano. Para saber mais, acesse pelas redes sociais @drgustavofeil.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − cinco =

Botão Voltar ao topo