BrasilNotíciasPolítica

Alckmin dá início a pré-campanha para 2022 ao lado de França, Kassab e Skaf

O ex-governador Geraldo Alckmin deu o pontapé inicial em sua pré-campanha neste fim de semana

Em vias de sair do PSDB, o ex-governador Geraldo Alckmin deu o pontapé inicial em sua pré-campanha neste fim de semana, ao participar de um ato político ao lado do ex-governador Márcio França (PSB), do presidente da Fiesp, Paulo Skaf (MDB), e do presidente do PSD, Gilberto Kassab. Em discurso, Alckmin falou que muitas pessoas utilizam a política como uma forma de autopromoção, mas que ela se faz “por amor às pessoas”. “Quem se autopromove, não comove”, disse.

O quarteto subiu junto à tribuna da Câmara Municipal de Cajamar, na região metropolitana de São Paulo, para selar uma aliança para as eleições estaduais de 2022. Banners com fotos de Alckmin, França e Skaf foram distribuídos pela Câmara Municipal, que recebeu centenas de correligionários do PSD e PSB. Houve aglomeração no local.

Pela articulação em curso, França, que concorreu à Prefeitura de São Paulo no ano passado, deve voltar a ser candidato a vice de Alckmin, repetindo a parceria da eleição de 2014. Skaf, por sua vez, deverá concorrer ao Senado.

O ex-governador Geraldo Alckmin foi o último a falar no microfone. Com um discurso de afirmação da política, contou anedotas do período em que foi prefeito de Pindamonhangaba, no interior de São Paulo. Em meio aos seus relatos, negou ser “contra” outros políticos. “Política não se faz com o fígado, guardando ressentimentos na geladeira”, afirmou.

Logo depois, disse que há quem faça política para autopromoção. “Hoje a política, muitas vezes, é a ribalta, para ‘marketagem’, para autopromoção. Quem muito se promove, não comove. A vida nos ensina: devemos estar a serviço do povo, permanentemente”, disse o ex-governador.

Alckmin também chamou atenção para a inflação alta, acima dos dois dígitos no acumulado dos últimos 12 meses, e criticou o aumento do ICMS feito pelo governador João Doria (PSDB). “Veja o preço que está o diesel e que aumenta tudo: o preço do supermercado, o preço do ônibus para o trabalhador, tudo.”

Fonte: Estadão Conteúdo 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete − cinco =

Botão Voltar ao topo